domingo, 11 de dezembro de 2011

ERROS DE SIMPATIA & DESAJUSTE



Há entorses de língua e de memória que insidiosamente se intrometem e desvirtuam as nossas relações com certas palavras e nomes. Nunca escrevo Bartleby bem, por muito que me levante da secretária e vá à estante pegar na novela de Melville para verificar a grafia correcta. Basta ver no post anterior. Chego ao computador e acrescento um «e». Levei anos e milhares de tentativas a escrever bem Schwarzenegger, ou Wittgenstein. Há termos e conceitos em que nunca penetrei ao ponto de se me tornarem naturais: para tonsura, por exemplo, não me serviram de nada repetidas consultas ao dicionário, só fixei quando comecei a ficar careca, no sítio onde os monges faziam a tonsura. Teve de passar pelo corpo. Enteléquia, é um conceito aristotélico que já consultei um milhar de vezes: não gruda à memória. Talvez por me sentir tão imperfeito e incompleto e o conceito significar a plenitude ou a perfeição de uma transformação, no oposto do processo de que resulta tal transformação ou transformação. O momento em que, taoisticamente, o fogo se transforma no seu contrário, em água: eis uma enteléquia. É como se por vezes, invariavelmente, chegasse ao dicionário com a atenção já estafada.
Depois há os erros de simpatia, aqueles que reproduzimos porque a nossa vontade completou ou cegou-nos ao que está escrito. Por exemplo, neste blogue cometi um erro no post mais lido (vá lá saber-se porquê) que o leitor ou nunca dá conta, ou nunca se manifesta – o que, para mim, em termos práticos dá no mesmo. No post intitulado «Einstein e os meus alunos» conto um episódio verdadeiro em que ofereci quarenta livros digitais ao aluno que me quisesse vir ajudar numa mudança de casa; tendo-se os alunos abstido da possibilidade de adquirirem num só dia 40 livros novos. Ora, no texto, começo por dizer que eram 40 e acabo mudando o número para 50. Não sei porque o alterei, a verdade está no primeiro número. Mas o que é facto é que nenhum dos 875 leitores que leu esse post até agora teve a delicadeza ou o humor para me fazer o reparo. Se calhar nem deram conta: erro de simpatia. 
Uma vez comecei a fazer uma T'abua das Palavras e Nomes que |Nunca Saberei Usar e  Empregar Correctamente. Cheguei ao esp'ecime n.56 mas entretanto roubaram-me o computador e perdi esse zool'ogico. H'a que não desfalecer e recomeçar.

Sem comentários:

Enviar um comentário